FELIZ PÁSCOA!!!

Das inúmeras lembranças que trago guardadas com carinho na minha “caixa de retalhos”, esta é especial.
Não somente por me transportar para uma época de alegria familiar, mas também porque, nesse período da minha infância, convivi com meus avós, tão amados, e apreendi bastante a respeito de sua cultura religiosa!
O que relato a seguir, não é um acontecimento em particular, mas, de maneira especial, o que tínhamos de mais agradável nas festividades pascais: a missa no domingo de Páscoa, finalizando a chamada “semana santa”.
Era, simplesmente,  adorável!

Estava uma manhã linda.
Chovera muito durante a noite, mas agora o sol brilhava, as árvores e as flores pareciam salpicadas de diamantes, os pássaros nos saudavam com seus cantos harmoniosos!
Já se ouvia vozes na sala, muito barulho mesmo, risos e saudações.
Era bem cedo, mas a beleza natural convidava.
Com calma, me vesti para a missa, gostava da missa de Páscoa, o ambiente cheirava a flores e os sorrisos eram festivos.
Desci as escadas, sendo imediatamente cumprimentada por todos.
Passando pelo jardim vi que a casa estava cheia, parentes e amigos vinham compartilhar essa festa conosco!
O sol já estava alto quando saímos à rua, o vento leve trazia o perfume das flores e a paisagem estava colorida de esperança, caminhava a passos lentos, absorvendo o frescor da manhã e a sensibilidade da vida!

A igreja estava linda, a imagem de Jesus resplandecente de braços abertos, iluminado, convidava a refletir sobre o significado da festa:
Renovar esperanças, ampliar sentimentos, dar uma nova chance a quem amamos e a nós mesmos, ressurgir das cinzas das experiências dolorosas, reviver em amor, alegria e felicidade!
Corpo e espírito em um exercício de RENOVAÇÃO!

Muito tempo se passou desde aquela manhã radiosa de Páscoa, clara e feliz, mas na lembrança ficaram imagens, sentimentos e emoções, fazendo relembrar o significado de participar e amar…

 Na certeza de realizar novos sonhos! 

Sexta-Feira da Paixão!

A  data nos faz pensar a respeito do tema…
Muitas ideias diferentes se apresentam à nossa mente…
Mesmo assim, falar o que?
Que a “sexta-feira”, chamada “santa”, é uma das comemorações cristãs mais importantes quando se fala em aprofundar as nossas reflexões?!
Por quê?
Porque traz até nós a personificação da caridade, da benevolência, da abnegação…
Da redenção, da compaixão…
“Sexta-feira  da  Paixão”…
Do amor puro!

A entrega total de um ser iluminado, divinizado, que deixou a sublimidade das esferas superiores para, como um beija-flor mergulhado no pântano, nos trazer o “reino de Deus” retratado em esperança, coragem e fé!  

Simbolizando a vontade de seguir sempre aprendendo e crescendo espiritualmente. Isso tudo na figura doce, meiga e mágica de Jesus de Nazaré!

 

 

Mas nós não o entendemos, imaginávamos que Ele seria o Salvador das dores materiais, sem que tivéssemos que fazer nada, das diferenças políticas que nos afligiam, esmagando os nossos adversários, julgamos que Ele seria somente um rei, um rei de barro e ouro, como aquele bezerro que adorávamos no deserto do Sinai…
Mas Ele não era esse tipo de rei…
E nós não percebemos, não entendemos…
Não entendemos seu reinado de paz e não de violência.
Não entendemos seu reinado de irmandade e não de divisões.
Não entendemos seu reinado de humildade e não de egoísmo.
Não entendemos seu reinado de amor e liberdade…
Enfim…                                                                               
O crucificamos…
Sem piedade, sem benevolência, sem dar-lhe chance alguma de habitar o nosso coração.
E agora?
Agora, passado tanto tempo…

 

Nos esforçamos para reaver tudo o que perdemos…

A Páscoa está chegando!

A “malhação do Judas” no sábado, chamado de “aleluia”, mobilizava toda a molecada da rua, todos reunidos no largo da Matriz, era uma tremenda algazarra!

Lembro que, numa dessas ocasiões, alguém resolveu colocar o nome da “vizinha chata” na gravata do boneco…
Imaginem a confusão que foi!
Tempos bons… Éramos felizes…
A alegria marcava presença.
Quantas travessuras…

No final, tudo se resolvia com café e bolo de fubá na casa da vovó!

Recordo que, na Páscoa, meu avô nos surpreendia com ovinhos de chocolate espalhados pela casa, depois de uma busca alegre em competição com os primos, encontrávamos os pequenos presentes, nos reuníamos no amplo quintal e saboreávamos aquelas guloseimas com a certeza de que éramos felizes, simplesmente felizes…
Uma felicidade ingênua, amorável!

Será que isso tudo, tem esse significado porque éramos crianças ingênuas e simplórias, ou porque as relações eram puras e sinceras?
É triste pensar que tantas crianças nunca viveram isso, não saibam quem foi Jesus, nem porque temos “folga” na sexta-feira ou por que ela é chamada de “santa”…
Não sabem o que esses “feriados” representam.
Será que o mundo nos mudou tanto assim?
Ou ainda existe, guardadinho em nossas caixas de retalhos, bem lá no fundinho, pedacinhos escondidos, prontos para reviver e se emocionar,?!

Vale a pena uma reflexão e quem sabe, uma decisão: mudar para um amor leve, tranqüilo, suave e valioso.

 A decisão está no seu coração… Decida!

Semana Santa…

Estamos próximo das comemorações da Páscoa.
Em meio a “Semana Santa”, estou mais reflexiva.

Há tempos atrás, era uma das festas que mais me empolgava. Lembro que quando criança, a religiosidade nos envolvia de forma profunda, as novenas, a via sacra, os terços conduzidos pelas senhorinhas na igreja, os santos cobertos com panos roxos durante a quaresma, a procissão do “Jesus morto”, que saía do altar, depois das rezas da tarde, e percorria os quarteirões próximos, as janelas enfeitadas com toalhas brancas, retratos dos santos e flores em vasos coloridos.

Ficávamos em frente de nossas casas aguardando a chegada daquela pequena multidão entoando cânticos tristes e trazendo várias crianças vestidas de “anjinhos”, normalmente para pagar algum tipo de promessa, em posição de reverência, quietos e encantados com toda aquela demonstração de respeito e fé!

Ritos afetuosos que fizeram parte da nossa formação cultural, mas que perderam valor, perderam significado.

São “retalhos” que trago guardados com carinho na minha ”caixa”.

 

Ser diferenciado?! Por quê?!

Caminhava pela cidade, fazia um calor sufocante, resolvi dar um tempo para descansar o corpo e a mente, parei para tomar um sorvete, sentei no banco da praça curtindo a sombra amigável de uma árvore e, todas aquelas pessoas circulando num ir e vir incansável despertou a minha atenção:
- Como somos todos iguais!

A mesma roupa, variando apenas em pequenos detalhes.
Sapatos da moda, todos iguaizinhos, mesmo formato e cor.
Bolsas e mochilas, parecidas entre si, umas famosas e caras, outras nem tanto…
Sem identidade ou personalidade.

Celulares, tablets, computadores, sem muita variação.
Porque ser chic é estar na moda e ser igualzinho ao vizinho!
Convencidos, engrossamos a massa que não pensa em ser diferente, porque dá muito trabalho.
È frustrante ficar fora da Moda!

Ser diferenciado?!  “Pra quê”?!
Não queremos ficar a margem, a nossa escolha deverá estar dentro dos padrões esperados.
Qualquer um em meio a centenas de pessoas que circulam ao meu redor nesta tarde calorenta de um verão escaldante, numa cidade aloprada e massificante, não passa de um alguém igualzinho a outro alguém, só isso, nada mais que isso!
Alguém igualzinho a outro alguém, isso é engraçado!
Nos vestimos, falamos, cantamos, dançamos, todos da mesma maneira.
Frequentamos restaurantes, lojas, cinemas, teatros, tudo da “moda”, é ela que dita a nossa vida, o modo de ser de todos: igualzinho!
É frustrante ficar fora da Moda!

 Você já percebeu que ser diferenciado dá trabalho?
Para qualquer “diferença” é preciso caminhar e procurar o “diferencial”.
Já pensou nisso?! Não.
Então pare, observe e perceba:
O diferenciado é corajoso, determinado, focado, não se assusta com o incomum, não se preocupa com os comentários, tem fé em si mesmo, segue adiante, sabendo que ele é diferente!
Qual o melhor caminho? A melhor escolha?
Não precisamos seguir a multidão para sermos aceitos e amados, não necessitamos de rituais de iniciação para fazermos parte de uma “tribo”…
Podemos errar e também acertar, a responsabilidade é nossa…
Somos fortes e também fracos…
Por isso, algumas vezes vamos falhar…
Mas uma coisa não podemos negar, nossa vida é repleta de cores, formas e tamanhos, de várias oportunidades, ou não?!  Então…
Acredite, você pode!
É preciso coragem, mas vale a pena, esse é o caminho certo.                                    Somos diferenciados porque somos únicos e isso basta!

ALEGRIA INCONTIDA!

Remexendo nesses “retalhos”, um em especial,  me levou ao final da faculdade.
Por volta de 1996…
Era época do TCC (trabalho de conclusão de curso)!
Correria  geral!  Caos total!
Quem já passou, sabe como é, quem não passou, imagine o fim do mundo… é bem parecido!

Apesar da ansiedade, o empenho, o esforço e a dedicação nos levaram a um trabalho totalmente focado.
A apresentação da pesquisa, feita durante todo o ano, foi muito boa, atingimos a meta e a nota para a conclusão, com sucesso, de uma etapa de dúvidas, incertezas e buscas.
Encontrava o caminho certo!
Alegria incontida!
Fronteiras se ampliaram, novas oportunidades se apresentaram!

Para aqueles que não acreditavam que eu pudesse chegar lá, deixo aqui os meus mais sinceros agradecimentos, pois, em muitas ocasiões, o que mais me motivava a seguir adiante eram os desafios a vencer, se assim não fosse, talvez não tivesse chegado ao final com tanta alegria

 

Para os que me apoiaram e acreditaram na minha vitória, dedico a minha gratidão, pois deles recebi força, coragem e fé!

Por que estou refletindo sobre isso, depois de tanto tempo?
Porque tenho a certeza que viemos ao mundo para vencer, ser feliz e encontrar o nosso caminho.
O caminho certo!
Independente das pessoas, que nos apoiam ou não, das dificuldades, dos desafios, das barreiras a superar, somos livres para escolher o caminho a seguir!

A alegria está justamente no entusiasmo renovado, na certeza da vitória, vontade firme e determinada de conquistá-la e recuperá-la!

Afinal… valeu a pena!

MULHER!

Remexendo na minha caixa, localizei um retalhinho muito especial, lembrança de uma pessoa querida, amiga dedicada.
Nos encontramos no último ano da faculdade.
Guerreira…
Com ela aprendi muito sobre o ser humano, seu biotipo pequeno e esguio, não demonstrava a força interior dessa criatura que venceu várias batalhas, inclusive o preconceito e a discriminação!

Onde está você Viviane?!

Como sempre digo, a vida nos mostrou caminhos diferentes e após a formatura não mais nos encontramos, mas saibam que essa mulher está presente em vários dos projetos que desenvolvo.

E aí Vivi?! Essa é pra você, lembra?!

MULHER!

Onde vais com tanta pressa?
Parece que teus passos têm agilidade de um leopardo.
Eu sei, eu sei…
Que por muito tempo tu andaste bem devagar.
Isso quando lhe era permitido o andar.
Teus caminhos mudaram, não é mulher?!
Hoje, tu crias teus caminhos.
Teus passos têm a tua direção.
Hoje não é como antes…
Tu não precisas seguir mais ninguém
A não ser você mesma.
Teus castelos são só teus.
E quantos castelos tu já não construístes em teus caminhos!
Muitos…
E dentro de cada um existe a tua força…
Força, que só tu mulher tens.
Força para construí-los mesmo em terrenos tão difíceis.
Mas tu os ergueste…
Venceu as dificuldades,
As tempestades,
As guerras.
Mulher,
Tu conseguiste várias conquistas.
Conquistastes muitos caminhos…

E um deles é o de ser mulher.
Mulher mãe.
Mulher trabalhadora.
Mulher política.
Mulher pensadora.
Mulher ativa.
Mulher que anda com pressa…
De conquistar…
De viver!

Viviane A. M. Lopes

A minha caixa sofreu uma pequena avaria

Olá Caríssimos!

Estive ausente por um tempo porque a minha “caixa”  sofreu uma pequena avaria…kkkkk
Ou seja, meu computador foi atacado por alienígenas…kkkk
Brincadeirinha!!!
Tivemos uns probleminhas técnicos, mas já está tudo resolvido e estamos de volta!
Consegui abrir a minha “caixa de retalhos” e dar continuidade as nossas reflexões.

 

Espero que vocês estejam gostando desse nosso contato, porque eu estou!
Estou muito feliz por fazer novos amigos e por abrirmos juntos nossas “caixas”!

 

Agradeço os comentários deixados e peço desculpas,  pois,  devido as dificuldades técnicas, não consegui respondê-los, mas já está tudo “bacaninha” e a vida segue…

 

 

DIVINA LIÇÃO

Certa vez, ao caminhar decidida por uma estrada tortuosa, senti que meus pés flutuavam.  Era inexplicável, apesar de extremamente agradável!
Flutuava cada vez mais rápido e percebia a paisagem de um ângulo diferente.
As árvores pareciam tão mais frondosas e altas, as flores eram muito mais bonitas e o lago possuía uma cor reluzente, não percebia as dificuldades do caminho e muito menos era preciso fugir dos buracos. Era uma sensação maravilhosa!
Assim como estava, tudo parecia lindo, simples e perfeito.
Mas como era possível?!  O que estava acontecendo?!

Quase não consegui terminar a frase, pois de um susto percebi que dois anjos me seguravam, um da direita, outro da esquerda.
“Meu Deus!” Pensei.
- Quem são vocês?! Perguntei.
- Meu nome é CORAGEM. Respondeu o primeiro.
- O meu é CONFIANÇA.  Disse-me o segundo.

- E o que fazem comigo tão belas criaturas? Por que me carregam?!
- Nós não a carregamos amiga. Somente despertamos em ti tua força interior. É ela que te faz flutuar, perceba.
- Como isso é possível?   Perguntei ainda mais assustada.
- Se acalme. Respondeu-me a CORAGEM. Quando me aproximo, tua FORÇA INTERIOR começa a pulsar, como um motorzinho e te faz ir a frente.
- E quando isso acontece, tua FORÇA se torna tão FORTE que me chama próximo a ti. Concluiu a CONFIANÇA.
- E assim conosco a teu lado, podes seguir mais rápido, em segurança e percebendo como a Vida a sua volta é bela!
Me disseram os dois anjos em conjunto.
- E como é essa força que, dizem vocês, habita o meu íntimo?   Perguntei pasma.
- É DIVINA, é o Grande Pai que colocou em teu ser, assim que foste criada.
- Como assim? Perguntei, sentindo forte emoção e quase em lágrimas.
- Simples. Responderam. É DEUS  que habita o teu interior e se faz sentir todas as vezes que CORAGEM e CONFIANÇA são necessárias para cruzar uma estrada difícil, seja pelo perigo, seja pelo medo. Mas assim que decides seguir adiante, cá estamos, chamados por Deus para contigo estar. Sempre ao teu lado, velando pelo teu sucesso!
- Muito agradecida… Balbuciei sem mais poder conter as lágrimas e a emoção. Era como se todo o meu ser, tão pequeno até então, se iluminasse e crescesse muito, muito.
Ajoelhei e orei, agradeci do fundo do meu coração a lição recebida.
- Não é preciso nos agradecer. Siga e seja feliz! Estaremos contigo sempre que precisar.
Deus abençoa quem nele confia!                                  

E num instante acordei.
Era um sonho.  Será?   Não sei!
O importante é que ficou a DIVINA lição:

Coragem e Confiança, fazem despertar a grande força interior que nos leva rapidamente a atingir nosso objetivo, sem dor, sem sofrimento, com as bênçãos de Deus! 

Gratidão amorosa!

Encontro,  vivência,  experiência, sinceridade, simplicidade…  

Nessa época de trabalho, conheci inúmeras pessoas que, excluídas de todas as formas de convívio social, são capazes de desenvolver uma fórmula mágica de sobrevivência para não sucumbir.
Nesta fórmula encontramos doses de muitos sentimentos que atuam como combustível para movimentar a máquina humana, dando-lhes a sensação de “existir”.
A lista desses sentimentos é encabeçada pelo amor, seguido do afeto, passando pelo respeito, fechando com a gratidão,
É difícil de acreditar que em comunidades, aparentemente tão distantes do “humanismo”, seja possível falar abertamente sobre sentimentos tão nobres.
Pois eu lhes digo que é a mais pura verdade!
Tive experiências geniais e muitas vezes tão especiais que se transformaram em retalhos inesquecíveis guardados  na minha caixa, prometo que, sempre que possível, falaremos sobre essas pessoas tão fortes e guerreiras, vencedoras em lutas tão descomunais que parece roteiro de novela, mas é vida real!
Acreditem, elas existem e me ensinaram a ser uma pessoa bem melhor ao sair do que quando cheguei!
Aprendi que o amor se expressa num abraço forte e sincero, sem cobranças.
Que o afeto se traduz em sorrisos, as vezes tímidos, outras vezes exageradamente abertos, no aperto de mão forte e amigável, na confiança de um relato íntimo e surpreendente!
A nossa presença é tão respeitosamente considerada que rapidamente se transforma em amizade  porque esse sentimento nasce da pureza de coração!  Da simplicidade de existir!
No momento da despedida, o choro aparece fácil, as palavras perdem o sentido e são substituídas pelas atitudes expressas, sem pudores,  em “rasgados” elogios, onde a moral de ser discreto perde terreno para a alegria de demonstrar livremente as emoções mais secretas!
É gratidão por estarmos juntos, por aprendermos juntos e por termos partilhado e compartilhado momentos únicos em nossas vidas!

É provável que jamais venhamos a nos encontrar, a vida segue nos levando por caminhos bastante diferentes…  Mas não importa!  Ficou o encontro, a vivência, a experiência, ficou o perfume da sinceridade, da simplicidade e acima de tudo da “gratidão amorosa”!

Mais uma vez eu digo: Valeu a pena!