UM DOMINGO ESPECIAL… DOMINGO DE PÁSCOA!

Das inúmeras lembranças que trago guardadas com carinho na minha “caixa de retalhos” sobre o “Domingo de Páscoa”,  estas são especiais.
Não somente por me transportar para uma época de alegria familiar, mas também porque, nesse período da minha infância, convivi com meus avós tão amados!

 

O que relato a seguir, não é um acontecimento em particular, mas, de maneira especial, o que tínhamos de mais agradável nas festividades pascais:
A missa no domingo finalizando a chamada “semana santa”, era simplesmente adorável!

 

 

 

 

 

 

 

 

Depois, retornando da missa, meu avô nos surpreendia com ovinhos de chocolate espalhados pela casa, após uma busca alegre em competição com os primos, encontrávamos os pequenos presentes.
Terminado o almoço familiar, nos reuníamos no amplo quintal e saboreávamos aquelas guloseimas com a certeza de que éramos felizes…
Simplesmente felizes…
Uma felicidade ingênua, amorável!
Éramos crianças  e acreditávamos que as relações eram puras e sinceras!

 

 

 

 


Muito tempo se passou desde aquelas manhãs radiosas de Páscoa, mas na lembrança ficaram imagens, sentimentos e emoções, fazendo relembrar o significado de compartilhar e amar!

Ritos afetuosos que fizeram parte da minha formação cultural. 
“Retalhos” que trago guardados com carinho na minha ”caixa de retalhos”!


FELIZ PÁSCOA!!!


 

 

 

 

 

AGRADECIMENTO ESPECIAL

Tenho muitas coisas a agradecer!

Mas faço um agradecimento especial aqueles que estiveram comigo nesta fase difícil que venho atravessando!

Minha família, meus parentes, meus amigos queridos e aos médicos dedicados, verdadeiros “anjos”, que com competência indicaram o tratamento  certo!


Obrigada pelo carinho, pela preocupação, pela presença, pelos telefonemas, pelas mensagens e especialmente pelas orações e vibrações de amizade, saúde e fé, que certamente me colocaram novamente de pé e em contato com a “luz do dia”!

A todos o meu muitíssimo obrigado!

Em breve estaremos juntos, voltando as atividades com muita garra e vontade de vencer!

UMA NOVA LIÇÃO!

Antes de reabrir minha “caixa de retalhos” quero deixar um recadinho…

Às vezes nos perguntamos qual o motivo que nos leva a vivenciar determinadas situações, presenciar fatos ou acontecimentos, passar por experiências dolorosas,  não é mesmo?!

 

Nestes últimos meses foi a pergunta que mais ocupou a minha mente: Para que tenho que passar por isso?! Qual o motivo disso?
Ainda não encontrei uma resposta compatível com tudo o que me aconteceu, mas acredito, ou melhor, tenho fé que foi e ainda está sendo, importante para o meu aprendizado, para meu amadurecimento ou somente para que eu dê muito mais valor para as pequenas coisas.

 

 

Sentia um pequeno incomodo no olho esquerdo, tinha a sensação de “areia nos olhos”, pela manhã estava sempre vermelho e levemente inchado.
Quando o dia terminava a sensação era de ardor intenso, parecia “que tinha fogo…” e a visão se apresentava diminuída. A desculpa era de vista cansada, foi assim por mais algumas semanas.

Como não temos tempo a perder com bobagens, a vida foi seguindo com a pressa de todos os dias.

Até que numa manhã a dor era quase insuportável e me obrigou a procurar um médico.
Veio o primeiro diagnóstico: “ressecamento de pálpebra”, tratamento simples. Ok.
Não melhorava, ao contrário, só piorava, não conseguia abrir o olho e a dor aumentara muito, sem falar na visão que estava bastante prejudicada, voltei ao hospital, outro oftalmologista, uma doutora nada simpática que muito displicente disse:
“- A sra. não está fazendo o tratamento com seriedade…”
Até parece que com tanta dor e visão rebaixada eu deixaria de fazer o tratamento, bom, mas continuando… Com toda petulância que lhe cabia, trocou a medicação e me colocou para fora do seu belo consultório sem mais!

No mês de outubro de 2013, visitei novamente o centro oftalmológico e recebi outra resposta: “inchaço grave na córnea já bastante machucada”, daí a visão ruim, afastamento total de todas as atividades, inclusive a profissional. Novo tratamento. E mais uma vez a decepção, nada de melhorar.

Iniciado o ano de 2014 e finda as férias retornei a São Paulo, sem melhoras, nada de retrocesso dos sintomas.

Mais duas consultas em especialistas e nada, continuava a piorar até que “a coisa ficou feia de verdade”.
“Não enxergo sem óculos e muito menos com ele… não leio e não escrevo, não assisto TV muito menos computador… a ‘fotofobia’ me impede de sair, a dor é insuportável, a sensação de “areia nos olhos” é constante, e… (vou parar por aqui pra não ficar muito piegas)  no quarto escuro fiquei reclusa por, aproximadamente, dois meses”

Há pouco tempo encontrei “dois anjos”, profissionais sérios e competentes que deram novo rumo a minha vida!
O tempo perdido em idas e vindas, inúmeros medicamentos fortes e indiscriminadamente indicados numa quantidade excessiva me prejudicaram além da conta, pois o caso se tornou crônico e gravíssimo…
“Mas tem saída…”, me disse a médica!

A medicação é cara, o tratamento é lento, longo e doloroso, mas tenho sentido melhoras constantes, hoje assisto TV por algum tempo e até posso escrever este depoimento, tudo ainda é controlado, mas já me permite um contato com o mundo!
Ainda não consigo ler com facilidade, mas a Doutora afirmou que volto ao normal, demora, mas chego lá!

O simples gesto de abrir o olho e enxergar com clareza o que nos rodeia é uma tremenda conquista, perceber a tonalidade das cores e divisar os contornos, é bálsamo para quem não tinha mais essas percepções!

Agradeço a cada dia que posso abrir os olhos e ver a luz, conviver com ela e desfrutar das maravilhas que ela pode me proporcionar!

Descobri que “a cada dia basta o seu cuidado”, é perda de tempo a preocupação e a ansiedade, basta viver o hoje e tudo de maravilhoso que ele nos oferece!


Não sei se aprendi a lição, mas vejo tudo com muito mais clareza e é muito bom enxergar a vida como ela é: DIVINAMENTE PERFEITA!!!