Quando o sonho se torna objetivo de vitória!

Certa vez, conheci um garoto que me fez acreditar que “sonhar é possuir um ideal”.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Era uma época difícil, especialmente para mim, passava por várias dificuldades, inclusive financeira, naquela comunidade em que trabalhava, por vezes não conseguia distinguir “quem mais carecia, aluno ou professora”.

Logo me identifiquei com a turma, eram jovens adolescentes que haviam passado numa seleção para prestar serviço numa empresa de grande porte da região.
O trabalho era difícil e pesado na área da siderurgia.
Eram determinados e bem humorados, gostavam de quase tudo que era proposto,  um grupo bastante unido!
As dinâmicas fluíam e o tempo passava rápido.

Numa tarde, tomava um café na cozinha da escola quando um dos meninos se aproximou e me confessou que gostava de música e dança, confidenciou que conhecia e apreciava dança clássica e que gostaria de seguir carreira.
Fiquei sem reação.
Um jovem que estava num projeto que visava uma área tão densa quanto a siderurgia, se mostrava tão sensível, com projeto pessoal tão diferente.
O que fazer?!
Continuar ou encaminhar para outra área?
Não podia decepcioná-lo pois confiara em mim.
Depois de refletir por um tempo, decidi mante-lo no “time”, afinal nada desabonava a sua participação.

Conversávamos bastante sobre vários assuntos e firmamos uma boa amizade.

Faltando alguns dias para encerrarmos as atividades, *Gabriel me convidou para assistir uma das suas apresentações.
Era um local muito pobre e simplório, um teatro pequenino com um palco rústico, mas quando aquele garoto entrou em cena, embora não entenda sobre essa arte, percebi que seu talento era nato, independia da qualidade do som, do espaço, da acústica, tudo ao redor era muito ruim, mas aquela criatura e a música pareciam “feitos um para o outro”. Os passos eram leves e precisos, tudo muito suave.
Fiquei, mais uma vez, sem reação.

Agradeci e me despedi de todos por lá, foi uma tarde bem agradável!

Eu sempre falo que a “mágica da vida” é perfeita e mais uma vez não me enganei.

No encerramento daquele projeto social, organizou-se um evento com a presença de muitas personalidades, gente importante mesmo. Entre elas o maestro que regia a orquestra sinfônica da cidade, que se apresentaria na festa.Quando soube disso entrei em contato com *Gabriel e pedi que levasse um “demo” de suas apresentações, da maneira que conseguisse, caseira, simples, sei lá… da forma que desse, não podíamos perder aquela oportunidade!

Não sou de fazer essas coisas, até porque não é muito ético beneficiar algum dos alunos, mas foi impulsivo.

Após a apresentação o maestro se colocou para receber os cumprimentos merecidos, foi nessa ocasião que o nosso *Gabriel aproveitou e pôs na mão do mestre a sua “preciosidade”.
Ousado e determinado, aquele garoto, naquele gesto, mudou sua caminhada para sempre!
Num curto espaço de tempo estava diante de uma única oportunidade, e ele não desperdiçou.
Ficamos numa ansiedade imensa por dias, até que um chamado da Secretaria de Cultura da cidade mudou definitivamente a vida daquele menino, o maestro o convidava para participar da sua equipe, com uma “bolsa-auxílio”.

Mesmo terminada a minha participação no projeto em questão, mantive com *Gabriel vários contatos, acompanhei sua trajetória até que embarcou em uma turnê por países vizinhos, a última notícia que tive dava conta que nosso amiguinho estava com uma “bolsa de estudo” e viagem marcada para outro país!

 

Não pensem que foi assim rapidinho tudo o que aconteceu, a história foi longa e trabalhosa, mas a “colheita produtiva”.
*Gabriel venceu!

Algum tempo atrás, soube que nosso brasileirinho não retornou para o país antes de se tornar um talentoso bailarino, professor e coreógrafo!

Muito tempo se passou desde aquela tarde de conversa na cozinha, confesso que não imaginava que o final seria esse: um sonho se tornando um ideal!

 

Mais um retalho foi encontrado na nossa caixa.
Este é dedicado a tantos  “Gabrieis”  que já passaram pela dureza da vida, transformaram seus sonhos em objetivos e venceram!

(*Gabriel é um nome fictício)

 

Brincando com as palavras…

 

Alegria de criança.
Sorriso de esperança.
Sou feliz e não adianta,
Dizer que não entende,
A minha segurança!

 

 

Hoje acordei com vontade de cantar!

Abri minha janela e deixei o sol entrar.
Senti o vento me tocar…

Ouvindo o canto alegre do pequeno pássaro que pela manhã vem me visitar.
Agradeço a oportunidade de mais um dia vivenciar!

 

Pois a mágica da vida
Todos os dias vem nos acordar!

Um dia alguém me disse que queria ser feliz…

Entre as muitas andanças que fiz por essas estradas da vida, uma delas me fez acreditar que podemos encontrar a felicidade em lugares incomuns.

Estava prestando serviço em um dos inúmeros projetos sociais da cidade onde morava, viajava algumas horas para chegar ao local de trabalho.
Faltava todo o tipo de material, desde giz até papel e cola.
Deveríamos preparar aqueles jovens para exercerem atividades numa panificadora.
O local não inspirava “sucesso” e o grupo muito menos!
Eram adolescentes enviados pela “fundação casa”, para uma tentativa de readaptação social através do profissional, um projeto-piloto.

Sabíamos que seria trabalho árduo para retorno incerto, mas era o meu trabalho…
Fazer o que?!
Não vou citar os detalhes pois não nos interessa nesse papo.

Fazia parte do grupo uma garota de nome *Elisabete, cabelos longos e louros, olhos azuis e um sorriso largo.
Ela era bem humorada mas gostava de desafiar a minha autoridade.
Elisabete sempre chegava cedo, vinha com a primeira turma da tarde.
Ficávamos conversando até que o restante dos participantes chegasse.
Certo dia comentei que gostava da cor dos seus olhos e perguntei
“se vinham do pai ou da mãe”…
Pela primeira vez *Elisabete não sorriu, costumava ironizar tudo, mas desta vez seus olhos marejaram e percebi que tocava em algo sério.
Depois de algum tempo em silêncio, ela me olhou e disse que não sabia, pois desconhecia a natureza e o paradeiro de seus pais, nascera no abrigo e por lá havia ficado até fugir com 10 anos de idade, vivera na rua com todo o tipo de gente, experimentara muitas drogas e para sobreviver havia se prostituído aos 12…
Ficou um sentimento estranho no ar…

 

 

 

A partir dessa conversa, *Elisabete se tornou uma menina quieta e bem mais participativa, notei que prestava atenção no que eu dizia e trazia as tarefas de “casa” prontas.

 

Questionei a sua mudança e ela me respondeu que “nunca ninguém havia falado dos seus olhos daquele jeito e que eu tinha me preocupado com ela de uma maneira diferente, que ela não sabia explicar.”
Fiquei sem reação, só consegui abraçar aquela criança com jeito de “gente grande” e lhe disse baixinho: “Não importa o que passamos ou fomos, sempre podemos dar um final feliz pra nossa história.”
Sei lá, foi a única coisa que me veio a mente.
Choramos juntas e nos despedimos por aquele dia.

Interessante é que havia algo especial que nos unia.
Aquela garota bonita, porém tão mal tratada pela vida, seja no físico, na aparência, seja nos relacionamentos ou no psicológico, parece que escondia outra pessoa atrás daqueles olhos azuis imensos e intensos.

No dia seguinte, *Elisabete veio perfumada, com os cabelos penteados e presos num rabo de cavalo, sua roupa estava limpa e seus olhos brilhando como duas pedrinhas azuis.
Me abraçou e me beijou, não era habitual essa maneira de me saudar!
E me disse: “Professora, essa noite eu não consegui dormir pensando naquilo que a senhora me disse e resolvi que posso ser feliz, tenho só 16 anos e tenho muitos sonhos. Botei meu nome na lista pra começar a trabalhar.”

Foram mais algumas semanas de trabalho e *Elisabete se tornou a minha melhor aluna. A sua dedicação foi recompensada com a aceitação de seu nome para integrar a equipe que participaria deste “projeto-piloto”.

Na nossa despedida ela me entregou um bilhetinho com um pacotinho embrulhado em papel de presente e me disse: “Professora, eu te amo! Eu quero ser feliz. Muito obrigado!”

Era uma estatueta pequenina: um menino sentadinho numa pedra com a mão na testa, pensativo, no pé uma frase: “estou pensando em você”.
E no bilhete estava escrito: “É de pobre mas comprei com o dinheiro que economizei do trabalho que fiz, é dinheiro honesto. Nunca se esqueça de mim. Eu te amo muito. Queria que a senhora fosse minha mãe.  Um beijo”

*Elisabete consegui o seu trabalho, deixou a “fundação” sob custódia de um mentor do projeto, foi adotada por uma família provisória e voltou a estudar.

Seguiu seu caminho e foi feliz!

Muito tempo se passou desde aquele encontro, mas trago comigo o seu sorriso, a sua alegria e a sua determinação em SER FELIZ!

Não sei de sua vida atual, pois perdemos contato, mas tenho na minha cabeceira aquela estatueta: estou pensando em você.
Me motivando a buscar alegria e superação sempre!
Porque alguém um dia me disse que queria ser feliz… e conseguiu!

 

Esse “retalhinho” é em sua homenagem *Elisabete!

 

  • (Elisabete é um nome fictício)

Minha mãe é especial…

 

 

 

 

Mulher
Admirável
Muito
Afetuosa
Especial!

 Essa é minha mãe!

As vezes ela é uma guerreira, outras vezes é tão suave como uma princesa!
Tem ouvidos para escutar o que o coração está dizendo.
Seus olhos são capazes de perceber o que temos guardado no fundo da alma!

 Minha mãe é uma mulher admirável, pois está sempre pronta…

Não importa para onde, para que, para quem,  seja lá o que for, ela está lá, esperando, pronta para ajudar, preparar, amparar, abraçar, beijar, sorrir, chorar, gritar, cantar, trabalhar, passear, educar, direcionar… e muito mais!

 

Ela é mãe…
Seu amor é… é… é tudo… Simplesmente tudo.
Mãe pode tudo!
Consegue estar em muitos lugares ao mesmo tempo.
Consegue viajar com as estrelas, brilhar como a lua e aquecer como o sol.

 

Caminha como um rio, é constante como o mar, perfumada como um jardim.
Mas pode agir como um furacão!

Eu guardo, como um tesouro, com muito amor, suas lições, suas experiências e vivências.
E recebo, afetuosamente agradecida, a sua dedicação e seu carinho!

Minha mãe é especial, porque Deus me deu ela de presente!

Minha mãe é tudo na minha vida!
Te amo MÃE!

 

Que este dia seja muito feliz para todas as mães!!!

Falando sobre ela: a Saudade!

Sentada diante da janela que se abre, a luz do sol ilumina de maneira especial o ambiente e a minha alma, tenho um sentimento profundo em meu poder: a SAUDADE!

Saudades do que passou, do que vivemos.
Saudades…
Saudades de quem esteve e não está mais…
Tempos atrás já falamos sobre ela:
Pequenos gestos, atitudes e comportamentos simples dos quais nos afastamos.
Houve uma época em que queríamos ser o invencível super-herói ou a mocinha da novela, nesse tempo tínhamos a certeza de conseguir, ríamos de nós mesmos e acreditávamos na simplicidade da vida.
O tempo passou, nós crescemos,  a vida se tornou complicada, tudo nos parece difícil, como se não tivéssemos mais o direito a sonhos e conquistas.

Saudades de tempos que não voltam mais,
Tempos que foram bem vividos!
Que saudades!

Chega de tristezas e amarguras.
Nada de medo, nem de desânimo.
Faça tudo com determinação e não se deixe abater.
Você ainda pode acreditar nos seus sonhos e torná-los realidade!

 

 

Unindo nossos pequenos retalhos, um a um, chegaremos a coloridos e harmoniosos sonhos, esperanças renovadas de “mudar o final da história, já que não podemos alterar o início”.


Muitos retalhos em nossa caixa!

Ao remexer na nossa “caixa”, descobrimos muitos retalhos…
Lembranças especiais!

Mãos que sempre se estenderam na hora da necessidade, que nunca apontaram em gesto de censura, que nunca condenaram, simplesmente ajudaram.
Coração amorável que nunca questionou, mas em palavras suaves aconchegou e fortaleceu.
Mãos e coração que nunca me faltaram!
Lindo sol que aquece meus dias mais frios.
Estrela brilhante que ilumina as noites mais  escuras e tristes.
Aroma suave que envolve todo o ser.  

Recordações guardadas no coração como encantadoras jóias.

Uma sensação fantástica que não se pode explicar para que não se perca o seu verdadeiro significado.

MÃE…  é luz, é cor, é amor!

Eu estava com muitas saudades…

Quanto tempo hein?!

Sentiu saudades?!

Eu estava com muitas saudades…

Estive ausente por um bom tempo…
Tempo necessário para revisar, reorganizar, repassar, resignificar.
Tempo para encontrar!
Tempo da serenidade.
Tempo da maturidade!
Tempo para encontrar o caminho certo.
O caminho do amor, generosidade, humildade e fé.
Tempo para encontrar a paz!

 

A paz é uma conquista do ser em busca de si mesmo!
Não estou mais ausente, estou presente. Estou em paz!