Recomeçar com a alegria da vitória!

Coragem e superação…
Duas companheiras inseparáveis.
Quando não nos resta mais nada é aí que temos tudo…

É tempo de “recomeçar”!

- Juntar o pouco que sobrou, mudar hábitos, reestruturar a rotina, encolher despesas, recolher sonhos.
Guardar forças para o dia seguinte…

Tomar consciência do quanto se pode realizar e perceber talentos que jamais pensamos existirem!
Ser verdadeiro na essência e na fé!
Olhar para trás e ver o quanto se caminhou…

 

Aprendi que o tempo mágico de Deus sempre nos presenteia com um novo dia.

Caminhamos, aprendemos, amadurecemos.

Que somos fortes, corajosos e podemos superar a nós mesmos!

Que nada será como antes.

Ter a certeza de que sentimentos de esperança e confiança mostram o caminho da conquista.

Caminho que leva a começar tudo novamente.

Recomeçar com a alegria da vitória!

Que os dias serão outros.

Com a certeza do sucesso!

 

 

História de Nossa Senhora do Carmo

16 de Julho – Nossa Senhora do Carmo

 Nossa Senhora do Carmo ou Nossa Senhora do Monte Carmelo é um título consagrado à Virgem Maria.

A sua festa litúrgica é comemorada pelos cristãos no dia 16 de Julho.

A palavra Carmo ou Carmelo significa jardim.

Este título apareceu com o propósito de relembrar o convento construído em honra da Santíssima Virgem Maria nos primeiros séculos do Cristianismo, no Monte Carmelo, em Israel.

Tem origem no século XII, quando  um grupo de eremitas começou a se formar no monte Carmelo, na Palestina, terra Santa, iniciando um estilo de vida simples e pobre, ao lado da fonte do profeta Elias.

Lá, esse grupo de eremitas construiu uma pequena capela dedicada a Senhora do Carmo, ou Nossa Senhora do Carmelo.

Devido ao lugar, esse grupo foi chamado de carmelitas

Os carmelitas foram obrigados a ir para a Europa fugindo da perseguição dos muçulmanos. Aí se espalhou ainda mais a Ordem do Carmelo.

 

O Escapulário de Nossa Senhora do Carmo, tradição do Carmelo

Em 16 de julho de 1251, São Simão um dos mais piedosos carmelitas que vivia na Inglaterra, vendo a Ordem dos Carmelitas ser perseguida até estar prestes a ser eliminada da face da terra, ele sofria muito e pedia socorro a Nossa Senhora do Carmo.

Sua oração, que os carmelitas usam até hoje, foi a seguinte:
Flor do Carmelo, vide florida. Esplendor do Céu.
Virgem Mãe incomparável.
Doce Mãe, mas sempre virgem.
Sede propícia aos carmelitas.
Ó Estrela do mar.

Então Maria Santíssima, rodeada de anjos, apareceu para São Simão, entregou-lhe o Escapulário e lhe disse:
Recebe, meu filho muito amado, este escapulário de tua ordem, sinal do meu amor, privilégio para ti e para todos os carmelitas. Quem com ele morrer não se perderá. Eis aqui um sinal  da minha aliança, salvação nos perigos, aliança de paz e amor eterno.

 

A partir desse milagre, o escapulário passou a fazer parte do hábito dos carmelitas.

A palavra escapulário, vem do latim, escápula, que significa  armadura, proteção.
O escapulário é uma forma de devoção a Maria Santíssima.
O uso do escapulário é um sinal de confiança em Nossa Senhora do Carmo.
A pessoa que o usa, é coberta com a proteção e as graças da Virgem Do Carmo.

O escapulário, segundo o Concilio do Vaticano II é um Sacramental, um sinal sagrado, obtendo efeitos de proteção da Igreja Católica.

Santa Tereza dizia que: portar o escapulário, era estar vestida com o hábito de Nossa Senhora.

Simão Stock tratou então de divulgar a irmandade do escapulário e convidar o mundo católico a participar dos grandes privilégios anexos.

Entre os devotos do escapulário de Nossa Senhora do Carmo, vêem-se Papas, Cardeais e Bispos.
O Escapulário teve uma aceitação favorável e universal entre o povo católico. Neste sentido, só é comparável ao Rosário.
Traz muitas indulgências, graças e outros benefícios espirituais a quem assume este sinal e esta proposta como seus.

 

 

Nossa Senhora, a melhor de todas as mães, quer para seus devotos filhos não somente os benefícios espirituais, mas também os temporais.
Assim, quem porta seu Escapulário recebe d’Ela uma proteção especial nos perigos da vida quotidiana.

Concedei-me vossas graças,
Virgem do Carmo, Maria,
pois o santo Escapulário
levo com fé, noite e dia.
…………………………………………………………………………………………………….. 

Fontes de pesquisa:
http://www.cruzterrasanta.com.br

http://www.paulinas.org.br

https://pt.wikipedia.org

……………………………………………………………………………………………………………..

TINHA TUDO PARA DAR CERTO…

MAS DEU TUDO ERRADO!

Todos nós já passamos por isso…

Uma viagem, um amor, relacionamentos, o curso esperado, o emprego aguardado, a compra do tão sonhado imóvel, o carro novo…

E tantas outras!

Não é novidade para ninguém, sabemos que isso se repetirá outras tantas vezes.

 

Não quero aqui defender ou atacar a vida, o destino, a fatalidade, o acaso…

Não!

O que pretendo é uma reflexão sobre as conseqüências daquilo que “não deu certo!”

Se não conseqüências, talvez o aprendizado ou o alerta depois do acontecimento ou acontecido.

Sei que o conformismo ou a aceitação, meramente, não é saudável e tão pouco inspirador.

O que é importante, acredito, está na maneira como entendemos a proposta da vida para nosso crescimento.

Não sou partidária da fórmula: “ta todo mundo querendo me pegar…” E sim: “tenho oportunidades de me ajudar…”

Oportunidades, isso mesmo!

Quando nos parece que deu tudo errado, deu mesmo!
Não sou piegas!
Fica a frustração, a decepção, o sonho desfeito, a falta de confiança, muitas vezes a culpa ou até mesmo, tudo isso junto!

Demora um bom tempo para que possamos integrar todos esses sentimentos confusos e pesados ao nosso dia a dia e especialmente ao nosso “eu interior” e assim, torná-los nossos amiguinhos!

Pois é possível que eles cheguem trazendo oportunidades de transformações e novas maneiras de vermos a situação e de vivenciarmos as outras que virão.

Cabe a nós percebermos o aprender e apreender.

O incidente que me levou a tal reflexão foi frustrante e traumatizante.
Foram horas de angústia e expectativas.

De início, negamos que tudo aquilo está verdadeiramente acontecendo, passado algum tempo, nos resta apenas aceitar e dar continuidade às decisões e atitudes necessárias, podemos chorar, descabelar, xingar, brigar, intimidar… Podemos!
Mas, digo com certeza, não vai resolver muita coisa não!

Tirando o fato de descarregar a emoção contida, o que nos resta é acalmar, respirar fundo e seguir adiante!
Simplista?! Talvez!

 

Hoje, passado algum tempo, percebo que o aprendizado é individual e intransferível!

Em cada emoção vivenciada, cada sentimento externado, cada lágrima derramada, cada afago que nos foi negado, reconhecemos quantas vezes fomos empreendedores, corajosos, decididos, lutadores.
E em quantas outras nos vemos recolhidos, assustados, culpados, tristonhos, desamparados… E assim vai…

 

Na maioria das vezes temos a sensação que ficamos devendo para a vida uma atitude mais centrada, mais focada nas virtudes como tolerância, paciência, humildade ou perdão.

 

Lembremos, no entanto, que somos humanos e falhos, um ser em formação, portanto, vamos nos contentar com um pequeno aprendizado e entender que cada um tem o seu especialmente delineado!

O meu foi compreender a vida como ela é!
Não temos onipotência, a vida segue seu curso e nos reserva surpresas em cada etapa, suas curvas nos conduzem ao objetivo que nos é mais adequado.
Cada coisa está aonde deveria estar!
Estamos aonde deveríamos estar!


Vivemos e não podemos negar, sentimos e não podemos apagar, mas é possível darmos novo significado, encontrar o caminho da alegria, felicidade, gratidão e vida intensa!
Como retalhos guardados há muito tempo em nossos corações!

………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………..