FELIZ PÁSCOA!!!

Das inúmeras lembranças, esta é especial!

 

O mais agradável nas festividades pascais: a missa no domingo de Páscoa, finalizando a chamada “semana santa”.
Era, simplesmente, adorável!

 

 

 

 

Estava uma manhã linda.
Chovera muito durante a noite, mas agora o sol brilhava, as árvores e as flores pareciam salpicadas de diamantes, os pássaros nos saudavam com seus cantos harmoniosos!

Já se ouvia vozes na sala, muito barulho mesmo, risos e saudações.
Era bem cedo, mas a beleza natural convidava.
Com calma, me vesti para a missa, gostava da missa de Páscoa, o ambiente cheirava a flores e os sorrisos eram festivos.
Desci as escadas, sendo imediatamente cumprimentada por todos.
Passando pelo jardim vi que a casa estava cheia, parentes e amigos vinham compartilhar essa festa conosco!

 

O sol já estava alto quando saímos à rua, o vento leve trazia o perfume das flores e a paisagem estava colorida de esperança, caminhava a passos lentos, absorvendo o frescor da manhã e a sensibilidade da vida!

A igreja estava linda, a imagem de Jesus resplandecente de braços abertos, iluminado, convidava a refletir sobre o significado da festa:
Renovar esperanças, ampliar sentimentos, dar uma nova chance a quem amamos e a nós mesmos, ressurgir das cinzas das experiências dolorosas, reviver em amor, alegria e felicidade!
Corpo e espírito em um exercício de RENOVAÇÃO!

Muito tempo se passou desde aquela manhã radiosa de Páscoa, clara e feliz, mas na lembrança ficaram imagens, sentimentos e emoções, fazendo relembrar o significado de participar e amar…

 Na certeza de realizar novos sonhos! 

…………………………………………………………………………………………………………………………….

“Sexta-feira da Paixão”

A “sexta-feira”, chamada “santa”, é uma das comemorações cristãs mais importantes quando se fala em aprofundar as nossas reflexões.
Porque traz até nós a personificação da caridade, da benevolência, da abnegação…
Da redenção, da compaixão…
“Sexta-feira  da  Paixão”…
Do amor puro!

 

Há tempos atrás, era uma das festas que mais me empolgava. Lembro que quando criança, a religiosidade nos envolvia de forma profunda, as novenas, a via sacra, os terços conduzidos pelas senhorinhas na igreja, os santos cobertos com panos roxos durante a quaresma, a procissão do “Jesus morto”, que saía do altar, depois das rezas da tarde, e percorria os quarteirões próximos, as janelas enfeitadas com toalhas brancas, retratos dos santos e flores em vasos coloridos.

Ficávamos em frente de nossas casas aguardando a chegada daquela pequena multidão entoando cânticos tristes e trazendo várias crianças vestidas de “anjinhos”, normalmente para pagar algum tipo de promessa, em posição de reverência, quietos e encantados com toda aquela demonstração de respeito e fé!

 

 

A entrega total de um ser iluminado, divinizado, que deixou a sublimidade das esferas superiores para nos trazer o “reino de Deus” retratado em esperança, coragem e fé!  

Simbolizando a vontade de seguir sempre aprendendo e crescendo espiritualmente. Isso tudo na figura doce, meiga e mágica de Jesus de Nazaré!

Mas nós não o entendemos, imaginávamos que Ele seria o Salvador das dores materiais, Mas Ele não era esse tipo de rei.
E nós não percebemos, não entendemos.
Não entendemos seu reinado de amor e liberdade.

O crucificamos…
Sem piedade, sem benevolência, sem dar-lhe chance alguma de habitar o nosso coração.


Ritos afetuosos que fizeram parte da nossa formação cultural, mas que perderam valor, perderam significado…

BRUTALIDADE, FANATISMO, INTOLERÂNCIA, CRUELDADE!

Estamos estarrecidos diante de situações que não nos deixam dúvidas de que a humanidade retoma mais um período de “noites imensamente negras”. Onde o humano deixa de existir e assume em seu lugar a brutalidade, o fanatismo, a intolerância, a crueldade!

E não falo somente de pessoas, ou crenças, mas englobo cidades, culturas, religiões, países ricos ou pobres, governantes, seguidores, cidadãos. Uma lista incalculável de afetados!

Outros, ignorantes de suas responsabilidades, esmorecendo na conduta lisa e reta que a sua posição lhe solicita, parecem não se incomodar, não são tocados, seguem em seus “castelos idealizados” sem se dar conta de que o mundo treme e a Mãe Terra chora!

 

E nós seguimos assustados, hipnotizados, impotentes, paralisados, amedrontados, descrentes em “estado de choque”.
Nesse momento me vem à mente a figura doce e amorável do Divino Mestre que nos deu, segundo a tradição, a sua vida para nos salvar.
A entrega total de um ser iluminado, divinizado, que deixou a sublimidade das esferas superiores para, como um beija flor mergulhado no pântano, nos trazer o “reino de Deus” retratado em esperança e fé!

Hoje tenho a certeza que nós não o entendemos!

Julgamos que Ele seria somente um rei, um rei de barro e ouro, como aquele bezerro que adorávamos no deserto do Sinai.

Mas Ele não era esse tipo de rei!

E nós não percebemos, não entendemos.
Não entendemos seu reinado de paz e não de violência.
Não entendemos seu reinado de irmandade e não de divisões.

Não entendemos seu reinado de humildade e não de egoísmo.
Não entendemos seu reinado de amor e liberdade…

E nessa saga de ignorância O crucificamos!
Sem piedade, sem dar-lhe chance alguma.
E agora?!
Agora, passado tanto tempo, fazemos tudo novamente.
Crucificamos pessoas, ideologias, culturas, conceitos, nacionalidades.
Nas nossas crenças inúteis, na soberba, na ganância, na vaidade, num verdadeiro mar de lama de futilidades e egoísmos, com brutalidades e insensibilidades…

 

Crucificamos a nós mesmos!

Que esta terça-feira de “terror” deixe sua marca profunda nos nossos corações!

Perdoai-os, eles não sabem o que fazem…

Perdoai-nos, nós não sabemos o que fazemos!

Que nossas reflexões não fiquem somente nas redes sociais, na apatia dos meios de comunicação, que a nossa mobilização seja um ato de amor verdadeiro ao semelhante.

Na oração sincera, na atitude cívica, na movimentação pacífica, porém imperiosa de nossa vontade, deixemos nossos sofás confortáveis e nossas salas climatizadas e vamos nos unir nas casas de oração, igrejas, mesquitas, em tantos outros lugares, para solicitar misericórdia ao Mais Alto, ao Espírito Criador, seja Ele quem for, tenha forma que tiver, habite onde quer que seja, não importa, tudo isso hoje se torna imensamente pequeno diante de tanta necessidade de união e fraternidade universal sincera, profunda e verdadeira!

 

 

 

 

 

………………………………………………………………………………………………………………………………………..

Iniciamos a “Semana Santa!”

É um momento de reflexão…

No coração da nossa fé, pulsa o grande Mistério Pascal.

O Domingo de Ramos abre solenemente a Semana Santa.

 O povo tinha visto Jesus ressuscitar Lázaro de Betânia havia poucos dias e estava maravilhado.
Tinham a certeza de que este era o Messias anunciado pelos profetas.

A entrada de Jesus em Jerusalém montado em um jumentinho – o símbolo da humildade – aclamado pelo povo simples, que O aplaudia como “Aquele que vem em nome do Senhor”.

 

 

Naquela ocasião, a procissão que seguia Jesus com os ramos das palmeiras nas mãos, arrancadas pelo caminho, saudando-o em brados de “aleluia, aleluia” esperava dele um novo reinado e assim gritavam: “Jesus nosso Rei!”

O acompanharam até a entrada do Grande Templo, quando ainda em meio a confusão e ao delírio popular, Jesus desapareceu, deixando o povo extasiado com aquele acontecimento!

Eles estavam certos que o grande Messias salvador do povo ali estava.

Mas esse povo tinha se enganado quanto ao tipo de Messias que Cristo representava.

Pensavam que fosse um Messias político, libertador social que fosse arrancar Israel das garras de Roma e devolver-lhe o apogeu dos tempos de Salomão.

 

Porém Jesus era aquele que veio para nos libertar espiritualmente, nos indicar o caminho da liberdade de escolhas, nos mostrar o valor da responsabilidade e do amor ao próximo, e não somente um libertador político.

 

O Grande Mestre esteve entre nós para a missão de iluminar o nosso caminho em direção ao Pai, o verdadeiro REI, mas nós não o entendemos, não o aceitamos, não lhe demos chance e, egoisticamente, o eliminamos… Sem mais!

 

E assim se inicia a chamada Semana Santa.

 

Os últimos dias que marcam a caminhada do Grande Espírito entre nós, mais uma vez  Ele nos provou seu verdadeiro amor e se ofereceu em sacrifício!

 

Ritos que fazem parte da nossa formação cultural e religiosa.

 

A festa de São José

São José foi inserido no calendário litúrgico Romano em 1479.

Sua festa é celebrada no dia 19 de março

Sob o título de “Tutor de Nosso Senhor” e “Operário”, é tido como “Padroeiro dos Trabalhadores”, e, pela fidelidade a sua esposa e dedicação paternal a Jesus, como “Padroeiro das Famílias”.

São José é invocado como o padroeiro dos carpinteiros, também em casos de doença, em casos de dificuldades financeiras e pelas famílias.
Na ladainha em sua honra é invocado como terror dos demônios.

É um grande intercessor que temos diante de Jesus, nunca tarda em nos ajudar a conseguir alguma graça, desde que a peçamos com fé.

São José, tal como a Virgem Maria, com o seu “sim” a Deus, preparou a chegada do Salvador na Terra. Deus Pai contou com ele e não foi decepcionado.

Celebrar a festa de São José é celebrar a santidade, a espiritualidade, o silêncio profundo e fértil.

Na arte cristã ele é representado tendo um lírio na mão, representando a vitória dos santos.

Algumas vezes ele aparece também com o menino Jesus ou nos braços, ou ensinando a Ele a profissão de carpinteiro.

José nasceu provavelmente em Belém, o pai se chamava Jacó (Mt 1,16) e parece que ele fosse o terceiro de seis irmãos.

A tradição nos passa a figura do jovem José como um rapaz de muito talento e de temperamento humilde, manso e devoto.

Tudo o que sabemos dele é o que nos conta a Sagrada Escritura: que era um homem justo, temente a Deus e aceitou dar sua vida para criar e educar um filho que não era seu (afinal Jesus era filho de Deus).

A Escritura Sagrada diz que era um carpinteiro pobre que morava em Nazaré. (Mt 13,55), tanto que quando foi levar Jesus ao Templo para ser circuncidado e Maria purificada, ofereceu como sacrifício um par de rolas, permitido apenas àqueles que não tinham condições de comprar um cordeiro (Lc 2,24).

Embora sendo pobre, José era de linhagem real, da descendência do rei Davi (Mt 1,1-16 e Lc 3,23-28).

Era um homem bom, compassivo e carinhoso, características de um justo.
José foi também um homem de fé e obediente.

Quando o anjo do Senhor em sonho lhe revelou o mistério sobre a criança que Maria trazia no ventre, imediatamente e sem questionar ou preocupar-se com fofocas, a tomou como esposa.

Quando o anjo lhe apareceu novamente para avisá-lo do perigo que a sua família corria, imediatamente deixou tudo o que possuía, bem como os parentes e amigos e partiu para um país estranho e lá permaneceu, aguardando pacientemente até que o anjo do Senhor, no devido tempo, o instruiu para retornar (Mt 2,13-23).

Quando Jesus ficou no templo, perdido dele e da mãe, José, junto com Maria, procurou-o com grande ansiedade até encontrá-lo ao fim de três dias (Lc 2,48).

Foram muitos anos de trabalho e de sacrifício para José, sempre perto de sua esposa e de Jesus.  Morreu pouco antes que seu filho iniciasse a predicação.

José teve uma morte como muitos gostariam de ter, ao lado de Jesus e de Maria.

Celebrar a festa de São José é celebrar a vitória da fé e da obediência sobre a rebeldia e a descrença!

……………………………………………………………………………………………………………….. 

Oração de São José 

Ó glorioso São José,

A quem foi dado o poder de tornar possível as coisas humanamente impossíveis,

Vinde em nosso auxílio nas dificuldades em que nos achamos.

Tomai sob vossa proteção a causa importante que vos confiamos,

Para que tenha uma solução favorável.

Ó Pai muito amado, em vós depositamos toda a nossa confiança.

Que ninguém possa jamais dizer que vos invocamos em vão.

Já que tudo podeis junto a Jesus e Maria, mostrai-nos que vossa  bondade é igual ao vosso poder.

São José, a quem Deus confiou o cuidado da mais santa família que jamais houve,  sede, nós vos pedimos, o pai e protetor da nossa, e impetrai-nos a graça de vivermos e morrermos no amor de Jesus e Maria.

São José, rogai por nós que recorremos a vós.
……………………………………………………………………………………………………………

Fontes:

https://pt.wikipedia.org

http://www.santoprotetor.com

http://blog.cancaonova.com  (Prof. Felipe Aquino)

 

ACEITE O DESAFIO, FIRME O PASSO E SIGA EM FRENTE!

Caminhamos tanto tempo por uma mesma estrada e tão rápido, consumidos pelas necessidades, que nos esquecemos de observar ao redor.
A paisagem vai mudando a cada etapa percorrida.

 

 

 

 

 

 

Nós seguimos tão entretidos conosco mesmo, com nossas tristezas, carências, desesperanças, que não percebemos a beleza da caminhada e tudo o que conquistamos, realizamos e o que ainda está ao nosso alcance, proporcionado pela mágica da vida!

 

Foram dias difíceis e assustadores, mas todas as vezes, e foram muitas, que pensamos em parar ou desistir, juntávamos o pouquinho de força e coragem que ainda existia e caminhávamos, seguíamos nosso destino com a confiança de que atingiríamos nosso objetivo e cruzaríamos a linha de “chegada”!

 

Nos envolvemos na magia da vida e decidimos seguir em frente.

Hoje trilhamos essa estrada com determinação.

Não é mesmo?!

 

 

Se você passou por isso, então você é mais um vencedor!

 

 

 

 

 

 

 

E é essa a nossa reflexão:
A vida está no tamanho certo e na medida exata para o nosso sucesso.

Para trilhar conosco em busca do seu sucesso, sugiro uma mudança:

- Aceite o desafio que a vida está lhe propondo e, mais uma vez, firme o passo e siga sempre em frente!

- Tenha sempre na lembrança bons momentos da caminhada, eles existem e podem lhe ajudar a se tornar mais forte e corajoso!

- Mantenha sempre ativada a Alegria  das conquistas.

- Nunca se esqueça de Agradecer                                                                               pelas aquisições e realizações.

- E que seus Sorrisos sejam                                                                                         constantemente de Esperança!

Depois de tal reflexão, deixe fluir uma profunda emoção.
Lembre-se que houve um tempo em que duvidou que pudesse realizar.
Mas, a vida é mesmo mágica!
Mudou o rumo da estrada.
E mostrou um novo caminhar.

Recobre o ânimo, enxugue as lágrimas, firme o passo e segue.

A  “trilha do sucesso” lhe espera para um novo conquistar!
……………………………………………………………………………………………………………………………………

Ah a vida!

Quando criança sonhava que tudo podia realizar.

O sonho de criança me levou a caminhar!

Na louca viagem da vida sai a procurar.

A cada passo percebia que não sabia o que iria encontrar!

 

Me senti amada e tão magoada.

Senti raiva e tamanha gratidão!

Sorri e chorei, abracei e fui empurrada.

Percebi estrelas e muito trovão!

Fui acolhida e abandonada.

Muitos encontros e quanta separação.

No caminhar intenso.

Mudei o rumo da estrada.

Comemorei conquistas e conheci decepção!

 

 

Muitas vezes desejei parar.

Mas algo dentro de mim dizia.

Que não podia retornar!

A cada passo percebia que independente do que sentia

A viagem acontecia…

Depois de longa jornada

Sou grata ao tanto que aprendi

Podemos a felicidade vivenciar ou a tristeza renunciar…

Mas o objetivo maior vida

É o quanto podemos amar!

 

 

Hoje não sou mais criança

Sei que não posso tudo realizar

Mas na louca viagem da vida já sei o que encontrar

Basta determinar a maneira de caminhar

Não há nada a descobrir

Apenas o que sentir

O objetivo a alcançar

É… Simplesmente…

Viver para aprender a amar!
……………………………………………………………………………………………………………………..

O importante é que realizamos!!!

Olá!

Que bom estar aqui novamente!

Não agüentei ficar tanto tempo longe e voltei!

E com muitas novidades!

 

Sempre digo que vida é movimento e por isso o dinamismo me contagiou e retornei com a realização de mais um sonho:

- Um desejo antigo de “tocar” a emoção das pessoas através das palavras…

É uma felicidade imensa!

 

Tempos atrás lhes disse que uma nova “colcha” poderia ser formada, pois é…

Aqui estamos para iniciar mais uma “construção”, utilizando os inúmeros “retalhinhos” que guardamos, porém, desta vez, vamos relembrar histórias de vida profissional, mas não simplesmente histórias e sim, histórias de sucesso na caminhada profissional!

Vamos iniciar uma nova etapa.

 

 

Desta vez o projeto surgiu de uma conversa com um amigo muito querido ao redor de uma mesa numa noite de sábado, quando relembrávamos o inicio de nossas caminhadas profissionais, conversa vai, conversa vem:

- Lançamos a ideia de uma “caixa de retalhos” sobre nossa vida profissional!

 

Como tudo começou: as carências, dificuldades, o sucesso tão esperado e tão distante, as conquistas, o trajeto trilhado com muitas lembranças interessantes.

Foi aprovada por unanimidade!

Nascia então um novo “filhote”: Na trilha do sucesso!

 

O nosso tão querido “caixa de retalhos” cede um pequeno espaço para o novo membro dessa afetuosa família!

Vivemos e não podemos negar, sentimos e não podemos apagar, esse é o nosso caminhar e lá vamos nós, mais uma vez recomeçar!

 

 

Já que não podemos alterar o início de nossa história, podemos relembrar e nos surpreender pela grandiosidade dos nossos passos! 

Esperanças renovadas de atingir com sucesso o final dessa história.

Certo ou não…

O importante é que realizamos!!!

Afinal todos somos vencedores…

Agradeço a você que sempre nos visita, convidando a estar ao nosso lado nesse novo projeto, em mais uma empreitada, continue nos prestigiando!

Deixe seu recadinho, seus comentários, sugestões e se quiser mande seu email para etesoni@gmail.com

Estarei a sua espera!

Até lá!

Um forte abraço,   Elisete Tesoni