Meu amado presépio!

A lembrança mais singela e mais profunda que tenho desta época é o presépio.

O presépio que vovô montava um mês antes das festas natalinas.
Era imenso com muitas peças e a tradição era integrar um novo personagem a cada ano.
Não era hábito a troca de presentes, mas a compra de uma peça nova para o presépio era sagrada.

 

Eu me lembro que sua montagem era uma festa, criaturinhas de barro ou cerâmica, iam saindo das caixinhas e, com muito cuidado, aquelas preciosidades eram desembrulhadas, formando cenas e paisagens coloridas e vovô montava tudo com muito carinho.
Bons tempos!

O nosso presépio era maravilhoso, repleto de personagens e histórias, mas o que mais chamava a atenção era a manjedoura vazia.
Tradicionalmente, a figura do menino Jesus só era integrada a sagrada família na noite de natal, após a missa do galo.

 

Aquela procissão simbólica, transportando a pequena imagem, devidamente abençoada, da igreja ao presépio, não sai da minha memória, era uma honra muito grande que unia a família em gestos de amor, respeito, harmonia e união!
Conduzir a pequenina imagem divina até o cestinho no presépio caseiro era um ato sagrado!


 

Dessa forma, simples e simbólica, vovô nos ensinou o verdadeiro significado da “sagrada família”, somente após receber as bênçãos de Deus é que nos tornamos uma família completa e unida!

 

Depois de irmos à missa e completar o presépio, a ceia simples, mas farta,  era servida e entre cantos e risos o amor se fortalecia na família e o Natal a tornava ainda mais sagrada.


A nossa sagrada família!

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>