ESCOLHAS E DECISÕES

Tantas mudanças acontecem num determinado espaço de tempo.
Curto, bem curto, longo ou muito longo, não importa, o impacto é o mesmo.
O que difere é o quanto estamos ou estávamos prontos para elas.
Pode ser que não estamos, nunca estivemos ou que jamais estaremos, depende das nossas escolhas e das nossas decisões! 

 

Algumas mudanças podem ser muito  boas ou bem difíceis de enfrentar, muitas delas bem ruins outras inaceitáveis, podemos até falar em inacreditáveis ou surpreendentes. Porém em todas elas é ou foi preciso escolher e decidir.


Temos ou tivemos que escolher e decidir rapidamente, sem muito pensar. Demoramos para escolher e decidir, esperamos o melhor momento ou até o deixamos passar.
Nos deparamos com partidas e chegadas e ai as decisões são fundamentais!

 

Mas sabemos que tudo isso faz parte da vida, do nosso aprendizado, do amadurecimento e crescimento pessoal, e dessa forma vamos em frente, seguindo o nosso caminho!

Hoje acredito que “viver é realmente uma arte”!

A arte de aprender, a arte de amadurecer, a arte de crescer, a arte de se fortalecer!

Aprender que tanto na dor quanto na alegria, temos que escolher e decidir.
Amadurecemos quando aceitamos que a doença física pode ser uma escolha da saúde do espírito.
Crescemos quando a cada conquista percebemos que as escolhas e as decisões nos colocaram diante de muitos desafios e que saímos fortalecidos!

Escolhas e decisões fazem parte da vida, dai o melhor é escolher trilhar o caminho seguro da ética, do respeito, da generosidade, do afeto, da compaixão, que estão diretamente ligados ao famoso caminho do amor!

Amor a Deus, amor ao próximo, amor de mãe, amor de pai, amor de amigo, amor de amor, amor ao clube, amor aos filhos, amor à profissão, amor à religião, amor ao amor!

Assim sendo, nossas escolhas e decisões nos tornam fortes, seguros e saudáveis, nos trazendo luz e paz.
Ou fracos, frágeis e doentes tornando nosso caminho tortuoso, escuro e sem graça.

As nossas escolhas e decisões, independentes se boas ou ruins, nos levam ao encontro de nós mesmos.

 

 

Hoje, após viver o ontem, sei que posso chegar ao amanhã fortalecida por ter feito escolhas e por ter decidido pela confiança, pelo carinho, pelo afeto e principalmente pelo amor.

E assim vou vivendo, escolhendo, decidindo.
E assim vou crescendo. Amadurecendo.
Decidindo por ser cada vez mais feliz.
Feliz, por escolher ser quem eu sou!

Mais um ano… O tempo passou muito rápido!

Nooossa… Passou muito rápido mesmo, parece que foi outro dia que deixei uma mensagem de aniversário e já estamos completando mais uma etapa!

Estou felicíssima!

 

Novos amigos, novas conversas, tantos “retalhos”!

Há cinco anos iniciávamos uma caminhada sem saber muito bem aonde iria terminar.
E nesse caminhar descobrimos que com o simples objetivo de recordar histórias de vida, relembrar pessoas e momentos que deixaram marcas fomos muito longe, rompendo barreiras, atingindo corações, ampliando contatos, fortalecendo amizades!

Impossível enxergar o término… Portanto, vamos em frente!

Quando decidi, há 5 anos  registrar minhas reflexões sobre minhas lembranças, não fazia ideia do quanto seria gratificante receber tanto carinho!

A nossa “caixa de retalhos”, como afetuosamente a chamamos, é como uma caixa de recordações.
Momentos de descontração e emoção.
 

 

Cada um desses momentos é um pedacinho daquilo que vivemos, faz parte da nossa história.

 

Tempos bons, amigos sinceros, mãos amigas, ombros que se molharam com nossas lágrimas.

Risadas, abraços fraternos, beijos afetuosos, conquistas e realizações.

Lembranças vão surgindo em nossa mente e aquecendo nosso coração.
 

 

Tivemos chuvas e tempestades, mas também dias ensolarados e uma colheita farta.
Tivemos dias de penúria e outros de abastança, material e emocional!
Pedimos pra Deus resolver tantas coisas que nem nos lembramos quantas foram.

Envelhecemos, amadurecemos e percebemos a vida de um ângulo diferente.

Como mágica, nossa história está ali, dentro de uma caixa de retalhos, guardada em algum canto qualquer.

Retalhos de nós mesmos, daquilo que fomos, somos e seremos.

Assim sou eu. Assim é você, com o seu jeito de ser e sua história pessoal.

Vivemos e não podemos negar, sentimos e não podemos apagar, essa é máxima do “caixa de retalhos”!

 

Agradeço ao empenho e carinho dos meus amigos e colaboradores que me auxiliaram a tornar esse sonho em gratificante e feliz realidade!

Logo mais nos encontraremos para apresentarmos um novo formato, novas histórias, depoimentos incríveis e tantas outras novidades!

Estamos engajados em novas formas de abrirmos cada vez mais “caixas” e assim atingirmos um número maior de formas, cores e tamanhos.
Afinal nossa caixa está sempre aberta para novas ideias!

 

Aguardem!!!

Falta pouco…

Novidades vêm por aí com força total!

Acredito que vocês irão gostar bastante porque eu estou amando!!!

Um forte abraço e até lá…

Sessenta no total! É tempo hein?!

Fazer aniversário é algo bem interessante, da mesma forma que ficamos contentes por encerrarmos mais um ciclo na nossa caminhada terrena, esperamos ansiosamente pela chegada de outra etapa sem saber o que virá pela frente.

O que viveremos, quais serão as experiências nesta nova oportunidade?

 

Será que vamos dar conta?
Vamos conquistar?
Teremos como realizar?
Quem chegará?!
Quantas despedidas?
Teremos mais ganhos ou mais perdas?!

Ah! Mas essa é a maravilhosa mágica da vida!
Amo essa engrenagem misteriosa e sinistra que nos oferece uma página em branco a ser preenchida, seja em segundos, minutos, horas, dias, semanas, meses, anos.

E hoje eu completo mais um ano!
Sessenta no total! Poxa. É tempo hein?!
Sempre me recordo da letra da música que diz:
“Se chorei ou se sorri… O importante é que emoção eu vivi!”

 

 

Essa sou eu. Meu ano foi assim:
Chorei, sorri, entristeci, me alegrei, curti imensa felicidade, às vezes deprimi, dei muita risada, fiquei muuuito revoltada, mas também imensamente agradecida, vi gente chegar, vi gente partir, resolvi muitas coisas, outras ficaram pra depois, um  tantão não consegui. Me senti tão forte e como estive enfraquecida!

 

Tive inúmeros motivos para me sentir realizada e outros tantos para refletir.
Tive tantas chances de aprender.
Tive respostas e muitas perguntas.
Tive momentos de solidão e outros de fraternidade.
Tive encontros e desencontros.

 

O tempo passa tão rápido.
O tempo conserta.
O tempo responde.
O tempo é cruel.
O tempo é generoso.
O tempo é divino…
Assim como divino é termos uma nova chance!

E que ela venha com força para que eu nunca desista, traga luz para me indicar o caminho, que me dê coragem para enfrentar e fé, muita fé para sempre confiar e seguir adiante!

 

 

 

Agradeço a Deus pela vida.
Agradeço aos meus queridos mais próximos pela paciência, incentivo e acolhimento.
Agradeço aos amigos que fazem a minha vida mais alegre e amorosa, aos inimigos que me impulsionam a aprender sempre mais e não me deixam parar!
Agradeço a vida pela mágica maravilhosa que me faz renovar, recomeçar, reaprender, rever, restabelecer e resignificar cada momento, cada instante em busca de um novo final!


Agradeço, especialmente, ao imprevisível, afinal nascemos para aprender, nada é previsível, nada é matemático, nada é determinado, nada vai além de viver plenamente em busca de nós mesmos!

 

 

Pronta para o novo!
Que venha mais um ano!

Retalhos… O que fomos, somos e seremos.

DESCOBRINDO NOSSOS RETALHOS

Rememorar, reviver e “resignificar” a vida! 

O projeto nasceu da vontade corajosa em rememorar, reviver e “resignificar”, dar novo significado a vida.

Pequenos gestos, atitudes e comportamentos dos quais nos afastamos.
Sorriso aberto, risos fartos em momentos de descontração!

 

Assim vamos unindo nossos pequenos retalhos, um a um, com olhar renovado dando forma a coloridas e harmoniosas lembranças despertando a coragem para mudar o final da nossa história, já que não podemos alterar o seu início.

Não temos regras nem receitas, não seguimos teorias, filosofias ou religião, somos tocados apenas por sentimentos e muita vontade de viver a vida com  ALEGRIA!

Pedacinhos coloridos de lembranças afetuosas que vão crescendo e ocupando novamente o nosso coração.

 

 

Pensado e especialmente preparado para aqueles que pretendem reviver a leveza da vida e a sinceridade de alma, ligado ao mais puro amor da criança interior!

Por sorte ela ainda lhe pertence, está apenas esquecida no fundo do baú!

Vamos desperta-la, abrindo nossa caixa para encontrar o que de melhor existe…

Nossos retalhos coloridos!

Afetuosas lembranças… para sempre nossas!

 

Reencontrar a alegria, redescobrir o sorriso, intensificar os abraços, reviver momentos de fraternidade e amizades, aqueles encontros e sonhos tão especiais.

Resignificar nossas conquistas e realizações, esse é o nosso objetivo!

Choramos, rimos, abraçamos, beijamos, fomos felizes, estivemos tristes, ganhamos, perdemos, chegamos e partimos…
Assim é a vida!

Sempre fica um pouco de perfume…

Adormecemos e despertamos.

 

 

Vivemos e sentimos, isso não podemos negar nem apagar.

Cada peça, cada componente de nossa história pessoal, é na verdade, um pedacinho daquilo que vivemos por todos esses anos, é parte integrante de nossa vida… linda vida!

Simples assim!

Já dizia alguém por aí:
Dificuldade, todos nós passamos, o que nos difere uns dos outros é a maneira “como” passamos por elas, “como” as enfrentamos!

 

 

Retalhos de nós mesmos, daquilo que fomos, somos e seremos.

Reflita e faça a sua escolha, sempre na certeza de que a vida vale a pena!

 

Quando você percebe que a as uvas não estavam verdes

Você pensa:
Produto bom, ponto de venda e instalações perfeitas para o momento, qualidade de atendimento, conhecer o produto… 

Agora é só esperar o cliente, atende-lo bem e pronto: vender e vender, sempre mais, muito dinheiro em caixa!

Muito fácil!
Certo?!
Errado!
A coisa não funciona assim!

Essa combinação de variáveis não aconteceu por inúmeras tardes, manhãs e até noites.
E o dia passava a ser um prefeito fracasso e decepção.
No inicio, a coisa nova chamou a atenção, mas passado algum tempo o objetivo de ganhar espaço em mercado tão acirrado e competitivo foi ficando distante.

O agradável aroma de flores, concentrado em pequenos frascos de perfumes, lentamente foi ficando “ardido”, deixando um rastro de dívidas e abrindo um enorme buraco na nossa conta bancária.

Nossa visão otimista e prospera de encarar a vida e as dificuldades, em muitas ocasiões nos sustentou animados, mas dessa vez nos fez ingênuos e crédulos demais no caráter humano, especialmente o caráter (ou a falta dele!) do comerciante experiente, astuto e aproveitador, que por acaso era nosso concorrente direto.

Como poderíamos sair dessa?!
Sei lá! Nunca havíamos passado por isso!

Poderíamos culpar o governo, o sistema, o fornecedor e assim livrar nossa cara e nossa falta de esperteza.


Mas, percebíamos a cada dia, que se quiséssemos ir adiante, seria preciso mudar drasticamente nossa forma de pensar e acima de tudo, nossa forma de agir.
Tentamos váaarias vezes, mas qual nada, nossa reação se mostrava insuficiente.
A situação ficava cada vez mais difícil.
Até que se tornou insustentável e…
Acabou!

 

Tudo isso me fez recordar de uma fábula de La Fontaine que meu pai nos contava:

A raposa e as uvas.

“Morta de fome, uma raposa foi até um vinhedo sabendo que  encontraria  muitas uvas.

A safra tinha sido excelente.
Ao ver a parreira carregada de cachos enormes, a raposa lambeu os beiços. Só que sua alegria durou pouco, por mais que tentasse, não conseguia alcançar as uvas.
Por fim, cansada de tantos esforços inúteis, resolveu ir embora, dizendo:
- Por mim, quem quiser essas uvas pode levar.
Estão verdes, estão azedas, não me servem.
Se alguém me desse essas uvas eu não comeria”.

Moral da história:

  • Aqueles que são incapazes de atingir uma meta tendem a depreciá-la, para diminuir o peso de seu insucesso.
  • É fácil desprezar aquilo que não se pode alcançar.

Naquela situação, naquele momento nos sentíamos a própria raposa.
Não conseguimos colher as uvas.
Mais fácil seria dizer que elas estavam verdes.

Porém, a lição foi mais profunda:
Descobrimos que NEM TUDO SÃO FLORES NO COMÉRCIO DE PERFUMES!

Descobrimos que o comerciante nasce feito, não adianta…

Se você não tem no sangue o “bichinho” do comprar e vender, terá dificuldades grandiosas para sobreviver e mais tempo, menos tempo, fatalmente fracassará!

Sabíamos que a as uvas não estavam verdes.
Apenas não conseguimos chegar até elas!

Na mágica da vida estamos sempre aprendendo!

Esse retalho foi importante na minha vida pessoal e profissional.

Assisti a uma palestra sobre “A importância dos valores morais na sociedade”.
Tema que nos fez refletir sobre a “coragem e a superação”.
A palestrante foi ótima, divertida e o tempo passou sem que percebêssemos.

Ao retornar, abri minha caixa e localizei um retalho interessante que estava bem no fundinho…

A data não me recordo com precisão.
Era uma época financeiramente difícil para nossa família.
Recebi uma proposta de trabalho um tanto… Digamos… Difícil…

 

No início me assustei um pouco, mas como não estava em condições de rejeitar a oferta, “meti as caras e fui”! 

Tenham a certeza, foi a melhor escolha e um dos melhores momentos da minha carreira!

Tive experiências geniais e muitas vezes tão especiais que se transformaram em retalhos inesquecíveis guardados na minha caixa.
E acreditem, me tornei uma pessoa bem melhor, saí dessa experiência renovada.

 

Quando o trabalho começou, fui alocada em uma sala com 20 jovens alunos, na faixa dos seus 18 anos, atrasados no currículo escolar, sendo que o objetivo do projeto era dar o mínimo de condição para retornarem ao convívio na comunidade.

 

A parte que me coube foi o “desenvolvimento pessoal”, ou seja, normas de conduta (pessoal e social, ou o que conseguisse) para uma convivência razoável.

Eram pessoas excluídas de todas as formas, as quais apresentavam tantas carências que não dá nem para listar.
Um público impossível de descrever com palavras, somente com o coração!

Por outro lado, pessoas tão fortes, guerreiras, vencedoras em lutas tão descomunais, capazes de desenvolver fórmulas mágicas de sobrevivência que me pareceu até roteiro de novela, mas era vida real!

Foi uma surpresa maravilhosa…

 

 

 

Aprendi que o amor se expressa num abraço forte e sincero, sem cobranças.

Que o afeto se traduz em sorrisos por vezes tímidos, outras vezes exageradamente abertos, no aperto de mão forte e amigável, na confiança de um relato íntimo e surpreendente!

A minha presença foi tão respeitosamente considerada que rapidamente se transformou em amizade e esse sentimento nasceu da pureza de coração!
Da simplicidade de existir!

No momento da despedida, o choro apareceu fácil, as palavras perderam sentido e foram substituídas pelas atitudes expressas sem pudores em “rasgados” elogios, onde a moral de ser discreto perde terreno para a alegria de demonstrar livremente as emoções mais secretas!

Nesta fórmula encontrei doses de muitos sentimentos que atuam como combustível para movimentar a máquina humana, dando-me a sensação do “existir” verdadeiro. 

A lista desses sentimentos é encabeçada pelo amor, seguido do afeto, passando pelo respeito, fechando com a gratidão.

Pois eu lhes digo que foi uma das mais emocionantes lições de vida.
Profundo aprendizado de simplicidade e sinceridade!
Abandonei antigas crenças, renovei conceitos e percebi como somos preconceituosos… 

 

Não nos encontramos novamente, afinal a vida seguiu nos levando por caminhos bem diferentes.
Mas não importa!

 

 

Ficou o encontro, a vivência, a experiência, ficou o perfume da sinceridade, da simplicidade e acima de tudo da “gratidão amorosa”!
A gratidão sincera por estarmos juntos, por aprendermos juntos e por termos partilhado e compartilhado momentos únicos em nossas vidas!

É difícil de acreditar que em comunidade, aparentemente tão distante do “humanismo”, seja possível a demonstração aberta de sentimentos tão nobres.

Valeu a pena ter aceito a tarefa, o trabalho…

Valeu ter vivido momentos tão especiais que trouxeram um sentido novo para o meu caminhar.

 

A vida sempre vale a pena!

Nunca se esqueça disso!

Aconteça o que acontecer, sempre vale muito a pena viver…

 

O tempo, sempre ele!

Como viver sem ele, mas, vivendo com ele, como não se surpreender!

Tempo para relembrar.

Tempo que não volta mais.

Tempo que ainda vai chegar.

 

Ah o Tempo, sempre ele!

Tempo de ser feliz, superar.

 

Tempo que trouxe você pra cá.

Tempo que levou tanta coisa pra lá!

Tempo, sempre ele…

Qualidade de ser presente, podendo ser futuro, sem deixar de ser passado.

Tempo que monta, desmonta.

 

Tempo que faz esquecer.
Tempo que conserta, recupera.
Tempo para ser solidário.

 Tempo que se faz inesquecível.

Tempo para jamais desperdiçar…
O tempo que pode transformar.

Tempo de crescer, aprender, amadurecer.

 

 

“Tempo do Homem”.

“Tempo de Deus”.

O tempo certo.

Tempo de esperar…

A lua brilhar.

A noite partir.

E, mais uma vez…
O sol raiar.

E… Um novo dia chegar!

O tempo nos ensina quantas vezes é possível recomeçar!!!

Conviver é oportunidade divina de aprendizado!

Acompanhando os últimos acontecimentos e fazendo as minhas reflexões diárias me veio à mente o quanto dependemos uns dos outros…

Pessoas entram e saem de nossas vidas com a função principal de nos ensinar a sermos melhores, menos egoístas e menos orgulhosos.

Independente de posição social, financeira, cultural, religiosa, estamos entrelaçados de tal forma que quando nos damos conta estamos envoltos uns com os outros.

 

 

Ricos e pobres, inteligentes e nem tanto, negros, brancos, ocidentais ou orientais. Pequenos e grandes. Empresários e operários.

Sei que costumamos rebater esse assunto, pois é muito difícil admitir ser dependente de determinada pessoa, não aceitamos!

Mas tenho a certeza que, dia mais, dia menos, vamos precisar de algum serviço, préstimo, conselho, consulta, amparo, sustento, emprego, festas, velórios, celebrações, na saúde ou na doença.

 

 

Somos úteis e carecemos da utilidade do outro, não somos nem mais nem menos, somos indivíduos que aprendem juntos, se emancipam, se tornam melhores ou, às vezes, piores, com a convivência do outro.

Nossa relação com os demais é um aprendizado constante.

Pais, professores, amigos, parentes, enfermeiros, médicos, engenheiros, ajudantes, porteiros, orientadores e milhares de outros! Não seríamos quem somos sem eles, bons ou ruins, dedicados, competentes ou nem tanto, presentes, ausentes ou simplesmente por acaso.

O que seria de nossas vidas se eles não estivessem lá?!

 Ah tá! Você não precisa deles?! Ok! Respeito.

Não precisa de ninguém. Muito bom! Respeito mais uma vez!
Porém… Todos, dependemos uns dos outros!

Isso é FATO!

 

É muito bom saber que o nosso viver interfere no outro, se não pelo retorno, mas pela consciência de que fizemos o nosso melhor!

Vamos refletir sobre a importância de todos no nosso viver e deixar a vida seguir seu curso nos mostrando o que devemos aprender!

Pois a mágica da vida está em perceber o quanto é saudável e interessante essa dependência!

Viver é mágico e conviver é oportunidade divina de aprendizado!

 

Acredito que posso e isso basta!

Para aqueles que não acreditam que eu posso chegar lá, deixo aqui os meus mais sinceros agradecimentos, pois o que mais me motiva são os desafios a vencer, se assim não fosse, talvez não tivesse chegado até aqui com tanta alegria!

 

Para os que me apoiam e acreditam na minha vitória, dedico a minha gratidão, pois deles recebo força, coragem e fé!

 

Tenho a certeza que viemos ao mundo para vencer, ser feliz e encontrar o nosso caminho.
O caminho certo!
Independente das pessoas, que nos apoiam ou não, das dificuldades, dos desafios, das barreiras a superar, somos livres para escolher o caminho a seguir!

Coragem e fé despertam a grande força interior.

A confiança se aproxima e nos leva rapidamente a atingir nosso objetivo.

 

 

Qual o melhor caminho? A melhor escolha?
Não precisamos seguir a multidão para sermos aceitos e amados, não necessitamos de rituais de iniciação.


Podemos errar e também acertar, a responsabilidade é nossa.
Somos fortes e também fracos.
Por isso, algumas vezes vamos falhar.
Mas uma coisa não posso negar, nossa vida é repleta de cores, formas e tamanhos, de várias oportunidades, ou não?!

Então…
Acredite, você pode!

 

 

A força está justamente no entusiasmo renovado, na certeza da vitória, na vontade firme e determinada de conquistar!
É preciso coragem, mas vale a pena.

A fé nos diz que somos únicos e muito especiais e isso basta!

 

 

Esse é o caminho certo!

 

Está esperando o que?!

A tal menina-chata!

Certa vez viajando a trabalho conheci uma garota muito especial, na verdade a nossa história se tornou especial!

Trabalhávamos juntas em um projeto social e dividíamos a mesma sala e o mesmo grupo.

 

Todas as vezes que nos reuníamos para discutir o tema da próxima aula, lá vinha a tal “menina chata” com mais uma história que não tinha nada ver com aquilo que estávamos discutindo.

 

Esse comportamento irritava todo o grupo, criando uma antipatia que dificultava o bom andamento do trabalho, a partir daí o ambiente ficava desagradável com tantas discussões e a nossa equipe recebia punições constantes.

 

Certa tarde fria e chuvosa, daquelas que parece tudo desarrumar na vida da gente, não consegui sair para almoçar e resolvi pedir um lanche e comer por ali mesmo, minutos depois a nossa colega se sentou ao meu lado e começou a contar uma de suas histórias, se referia a uma viagem que havia feito para a Disney e…Tralalá… Tralalá…
Já me preparava para ficar irritada, estava mal humorada e cansada, quando decidi que naquela tarde tiraria tudo a limpo, faria diferente, inverteria a situação e perguntei-lhe sobre a sua família, não me lembro mais por que, mas recordo muito bem da resposta.

Qual não foi a minha surpresa ao saber que a nossa amiguinha era órfão de pais há muitos anos, desde criança, que havia perdido sua avozinha há pouco tempo e que não tinha mais ninguém no mundo.

 

Completou dizendo que morava sozinha e que estava longe de sua cidade sem amigos e que se sentia bastante triste por não ter a quem esperar ao chegar em casa e não encontrar quem a esperasse.

Não sei bem por que, mas aquilo me tocou, uma garota tão jovem, sozinha, sem ninguém para conversar ou contar suas histórias, por isso ela falava sem parar!

 

Tem coisas que acontecem na vida da gente que não sabemos explicar basta apenas sentir e naquele momento senti que podia ouvi-la sem me irritar e assim foi que ficamos nesse papo por um longo tempo.

Afinal, com quem nossa companheirinha dividiria suas experiências e vivências, vitórias e derrotas, conquistas e fracassos senão com aqueles que estavam ao seu lado, procurava a nossa amizade como numa súplica e nós ali, juízes implacáveis de um orgulho monstruoso, a condenávamos como algozes sem piedade!

Nem preciso dizer que nos tornamos amigas, né?!

Quando me dei conta, estávamos compartilhando nossas histórias e em muitas delas ríamos como “velhas amigas” ou “as mais novas amigas de infância”!

Desde aquele nosso encontro, naquela sala vazia, aquela chuvinha que escorria pelas janelas enormes, tendo como pano de fundo o frio característico das tardes de inverno, a minha percepção sobre a “tal menina chata” foi mudando, mudando, mudando…
Passamos a dividir  nossas vidas.

Até que nosso contrato de trabalho terminou e voltamos para nossas cidades, para nossas casas, para nossas vidas, eu para minha família e ela… bem… ela…
Demorou um tempo, mas também formou a sua família!
Casou-se, teve um casal de filhos e…
Não sei!

Novamente a vida nos separou e perdemos contato.

Mas tenho certeza que ela está bem, feliz e realizada, contando para os seus todas aquelas histórias “maravilhosas” que um dia tanto nos irritou!

A vida é mesmo mágica!

Lembrei-me do antagonismo de uma história verdadeira:
Num dia a tal menina-chata, no outro a tal menina-amada!

 

Ah! Essa nossa “caixa de retalhos”, quantas lembranças de dias chuvosos, tardes frias e tristes que se transformaram em pequenos retalhos de afeto e muito amor!

 

 

Este pequeno retalho é para você minha querida amiguinha, aonde quer que você esteja sempre será uma lembrança especial, guardada com carinho na minha caixa de retalhos!

Dedico este relato, esta recordação, a tantas outras “meninas-chatas” que querem apenas serem acolhidas e amadas…